Seguidores

13 de maio de 2007

Poesia Angolana

Namibiano Ferreira
[clique no ícone para aceder ao blog]

temática:
poesia / cultura angolana

título:
Poesia Angolana
ou
ONDJIRA SUL: Poesia de Namibiano Ferreira e Cultura Angolana.

autor:
Namibiano Ferreira

perfil do autor:"Nasci em Angola no Deserto do Namibe. A cidade de Tombwa (Porto Alexandre) foi meu berço dunar e desde logo se estabeleceu um pacto mágico e anímico entre mim, o Povo e o Namibe. Anos volvidos foi no nome da terra que encontrei o meu nome de poeta: Namibiano Ferreira, pseudónimo de João José Ferreira. Eu sou alguém que tem pudor que lhe chamem poeta, porque dias há que me sinto aquém dos limbos oníricos da poesia. E serei verdadeiramente um Poeta? Desde que me lembro sempre senti a leveza da poesia a latejar dentro de mim, por volta dos 17 anos comecei a escreve-la. Não faço nem forço, creio que a poesia me acontece, eu fico só esperando... e a cada dia de sol que dorme e acorda fico esperando aquele poema cativo algures num pedaço rendado sem tempo... a Poesia não se faz: ACONTECE. Não tenho obra publicada, participei em 2 colectâneas de poesia, uma já não lembro o título, e a outra, Resist(ir) Assim, foi publicada em 2000 pela Editorial Minerva de Lisboa. No entanto a teimosia preparou 4 conjuntos de poemas a quererem ser livros: Rota do Sul, Sensações de Maresia, Poemas no Vento e no Tempo e Fragmensias. "

lema:“Poesia de Namibiano Ferreira para partilhar com quem vier em paz e ideais humanistas, contra a opressão e o racismo”

comentário:Há quem pense que a Poesia é aquele conjunto de versos que alguém publica em forma de livro, com capa apelativa e tudo. Não é só! A poesia está latente dentro de nós mas nem sempre a podemos dar a conhecer, por razões alheias a nós próprios, os que não têm padrinhos no mercado. A internet deu-nos uma nova possibilidade e ela aí está.

Namibiano Ferreira herdou, como eu, a força agreste da garroa, que nos fustigou o rosto mas libertou a alma. Os seus poemas têm nas areias do Namibe, como a Welwitschia, raizes profundas em busca constante de água. Encontrada a fonte regressam à superfície, únicas de fortaleza e sabor a vida.

Concordo plenamente com o Decio Bettencourt Mateus, um avilo que também aqui terá o seu cantinho e que comentou * desta forma um poema do Namibiano: “Um poema saudosista escrito em grande estilo! Eu diria em estilo de Aires de Almeida dos Santos, o grande poeta angolano!” Não consigo arranjar melhor elogio.


* O Namibiano Ferreira está também representado na página Poíesis.

actualização: 31.01.2011